Posts filed under ‘Recursos’

Open Educational Resources in Brazil: State-of-the-Art, Challenges and Prospects for Development and Innovation

O livro “Open Educational Resources in Brazil: State-of-the-Art, Challenges and Prospects for Development and Innovation” da pesquisadora brasileira Andreia Inamorato dos Santos, é a segunda publicação dentro da série de estudos de caso do Unesco Institute for Information Technologies in Education. O estudo contém uma visão geral do panorama educacional brasileiro, a política nacional de educação e as estratégias de utilização das TIC na educação.

A autora descreve alguns repositórios de conteúdo digital aberto, com a devida ênfase sobre a situação de direitos autorais e considera vários exemplos de projetos bem sucedidos de Recursos Educacionais Abertos internacionais que envolveu parceiros brasileiros.

Segundo Andreia, uma tradução para o português deverá sair nos próximos meses. Em relação a licença do livro, a autora esclareceu no grupo REA no Facebook e na lista REA:

“a UNESCO detém os direitos autorais. Eles admitem a controvérsia, principalmente porque essa é uma publicação sobre REA, mas a discussão para tornar as publicações da UNESCO abertas (com o uso de licenças apropriadas) é institucional e já está tramitando. Tudo precisa passar por várias fases administrativas antes da implementação, mas estão caminhando para isso. Em relação a essa publicação, a UNESCO pretende estudar a possibilidade de oferecer algum tipo de permissão para remix, mas isso não será algo imediato. Talvez um outro tipo de licença seja algo que possamos conseguir para a versão em português. De qualquer maneira, o livro está disponível gratuitamente e pode ser distribuído.”

O download está disponível aqui. Boa leitura!

Anúncios

09/01/2012 at 11:40 Deixe um comentário

OpenClass: o AVA gratuito da Pearson

A Pearson anunciou há poucos dias o OpenClass, seu Ambiente Virtual de Aprendizagem gratuito, totalmente “livre” e “aberto” que tem como foco as universidades. Adrian Sannier, vice-presidente de produtos da Pearson, diz que o OpenClass pode ser usado sem custos de licenciamento, manutenção e hospedagem. “Uma oferta mais livre do que qualquer outra, incluindo o Moodle”. O AVA chega em parceria com a Google e os usuários podem acessar, por exemplo, o Gmail, agenda e o Google Docs à partir do AVA.

A iniciativa gera questionamentos em relação ao uso e produção de conteúdos. A Pearson não precisa vender o OpenClass, uma vez que, seu lucro está associado a venda de livros didáticos, tanto impressos como digitais, bem como outras ofertas curriculares e serviços de avaliação e testes padronizados. Em relação aos conteúdos, a Pearson afirma que a o ambiente não bloqueará materiais que não sejam de sua autoria.

Para saber mais: Hack Education e The Chronicle

31/10/2011 at 20:52 1 comentário

Um dicionário livre

A editora Hedra lançou, em junho e pela internet, o Minidicionário Livre da Língua Portuguesa, com mais de 35 mil verbetes. O material está disponível para download em pdf aqui, e possui a licença CC-BY-NC, ou seja, pode ser copiado e remixado, desde que haja atribuição e que não seja usado para fins comerciais.

A coordenação da publicação ficou por conta do professor M.M. Santiago-Almeida e todo o processo de edição do material foi feito com softwares livres. Em breve uma versão impressa do Minidicionário também será publicada.

05/08/2011 at 12:23 1 comentário

“A Secretaria Municipal de Educação entendeu que não fazia sentido manter o material produzido com recursos públicos sob direito autoral restrito…”

Publicado originalmente em: http://www.portalsme.prefeitura.sp.gov.br/anonimosistema/detalhe.aspx?List=Lists/Home&IDMateria=769&KeyField=Arquivo%20de%20Not%C3%ADcias

A partir desta terça-feira, 7 de junho, todos os materiais didáticos produzidos pela Secretaria Municipal de Educação estarão sob licenças Creative Commons. Isso permitirá que outras redes de ensino, municípios e Estados utilizem os conteúdos produzidos pela Rede Municipal de Ensino, desde que para fins não comerciais. Quem usar o que foi produzido em São Paulo para produzir um novo material deverá licenciá-lo e disponibilizá-lo da mesma forma.

O Creative Commons é um projeto mundial, mas ainda pouco conhecido e considerado vanguardista. Essas licenças surgiram para acompanhar as novas necessidades criadas pela internet. O direito autoral impede a reprodução de materiais produzidos para quaisquer fins sem a devida autorização do autor. Isso dificulta o uso de dados para fins não comerciais e para a disseminação das informações.

A Secretaria Municipal de Educação entendeu que não fazia sentido manter o material produzido com recursos públicos sob direito autoral restrito, já que muitas vezes esses conteúdos são solicitados por outros municípios e Estados para fins didáticos e para a expansão de experiências educacionais bem sucedidas em uma das maiores cidades do país.

Entre os materiais disponíveis para download estão as Orientações Curriculares para a Educação Infantil e o Ensino Fundamental, Orientações Didáticas para a Educação de Jovens e Adultos, Programa Ler e Escrever (todos no site da Biblioteca Pedagógica) e os manuais produzidos pelo Departamento de Merenda Escolar.

Especialistas das áreas de Educação, Cultura e Tecnologia falaram sobre a iniciativa da Secretaria de Educação paulistana:

“No meio de tanta notícia ruim, uma luz se acende na capital paulista. Acabo de saber que a Secretaria Municipal de Educação de São Paulo vai disponibilizar na internet – sob uma licença Creative Commons – todo o conteúdo de orientação aos professores, inclusive os guias de estudo e planos de aula. Isso significa que todos poderão compartilhar o material e criar obras derivadas, desde que assegurados os devidos créditos da criação original. É fácil imaginar o que isso significará em economia de recursos públicos para centenas de pequenos municípios brasileiros, que poderão adaptar o material às suas realidades sem gastar um centavo do orçamento. A luta pela educação pública de qualidade não pode ser vitimada por diferenças partidárias. O exemplo de São Paulo deveria ser seguido pelas demais administrações. Agora resta torcer para que os próximos prefeitos de São Paulo, não importando de que partidos sejam, mantenham essa importante iniciativa.”

Fernando Morais, escritor, ex-secretário da Educação do Estado de São Paulo

“O futuro da educação está diretamente ligado à tecnologia. A criação de Recursos Educacionais Abertos (REA´s) é um passo importante na criação de uma infraestrutura educacional em sintonia com as possibilidades da tecnologia da informação. O uso da licença Creative Commons permitirá o amplo acesso e disseminação dos recursos educacionais produzidos pelo município de São Paulo e também a possibilidade de que esses recursos possam ser coletivamente atualizados e aperfeiçoados. Em síntese, a iniciativa aproxima da sociedade o esforço continuado de promover a educação e reconhece a tecnologia e a colaboração como aliadas da gestão do conhecimento.”

Ronaldo Lemos, diretor do Centro de Tecnologia e Sociedade da Escola de Direito da Fundação Getúlio Vargas, no Rio de Janeiro e diretor do Creative Commons Brasil

“Há alguns anos, gestores comprometidos com o compartilhamento do conhecimento passaram a orientar a utilização das licenças Creative Commons nos sites das instituições que dirigiam. Foi assim no Ministério da Cultura do Governo Lula, pioneiro desse movimento em âmbito nacional. Foi assim na Secretaria Municipal de Educação de São Paulo, pioneira desse movimento na maior cidade do país. Iniciativas como essa apontam para a compreensão de que precisamos repensar as noções de autoria, compartilhamento, colaboração no mundo digital. Que precisamos reequilibrar a relação entre o direito dos autores e a utilização livre pelas pessoas. A indústria da intermediação, típica da era industrial, não pensa assim e combate aqueles que trabalham para atualizar o nosso mundo. É nosso dever, como cidadãos conscientes, fazer a defesa de iniciativas como essa.”

Rodrigo Savazoni, comunicador, ciberativista e um dos criadores da Casa de Cultura Digital

“Produzir conhecimentos de forma colaborativa é o papel da escola. A educação tem de ter isso em mente, em todas as suas ações. As políticas públicas precisam fortalecer essa ideia e a Prefeitura de São Paulo, por meio da Secretaria Municipal de Educação, ao licenciar todo o seu site em creative commons, não só dá um importante passo à frente nessa direção, como promove de forma positiva a ampliação das possibilidades colaborativas em todo o poder público municipal, com importantes reflexos para os Estados e a nação. Esse não é um pequeno passo. É um salto de qualidade para a educação em nosso país.”

Nelson Pretto – professor da Faculdade de Educação da Universidade Federal da Bahia. Conselheiro titular do Conselho de Cultura do Estado da Bahia
“A proposta da Secretaria Municipal de Educação de São Paulo de licenciar o conteúdo produzido no seu site é uma notável iniciativa de reconhecimento e apoio ao acesso livre, ao compartilhamento de conteúdos e à re-utilização de informações públicas. Esse licenciamento permitirá que usuários do site possam acessar conteúdos livremente, compartilhá-los com terceiros e modificá-los em usos não comerciais, desde que citem a fonte e mantenham os termos da licença. Com essa medida, a secretaria adequa sua política de direito autoral a práticas estabelecidas dos usuários de Internet, demonstrando conhecer e reconhecer as novas formas de compartilhamento e produção colaborativa propiciadas pela rede.”

Pablo Ortellado, professor da USP-Leste, membro do GPOPAI, Grupo de Pesquisa em Políticas Públicas para o Acesso à Informação.
“A iniciativa da Secretaria Municipal de Educação de desenvolver recursos educacionais abertos, liberando todo o conteúdo do site da SME pela Creative Commons  com a licença: “Atribuição – Uso Não Comercial – Partilha nos Mesmos Termos (CC BY-NC-SA)” – constitui uma inovação importante em direção à democratização e qualificação do ensino e um passo fundamental nesse momento de retrocesso na política federal de flexibilização do copyright.
Eu apoio essa iniciativa!”

Giuseppe Cocco, Professor Titular da UFRJ e membro da Univerdidade Nômade.

“É louvável a iniciativa da Secretaria Municipal de Educação de licenciar os conteúdos disponibilizados em seu site por meio de uma licença Creative Commons. A atitude mostra como a gestão pública pode contribuir efetivamente para a melhoria das políticas relacionadas ao acesso ao conhecimento e ao direito à educação, que guardam relação direta com os direitos autorais. Num país como o Brasil, que possui uma das piores legislações autorais do mundo, especialmente em virtude de suas poucas possibilidades educacionais, uma ação governamental como essa contribui sensivelmente para a consecução efetiva do interesse público. Os serviços educacionais, tendo sua dinâmica cada vez mais estruturada em recursos educacionais abertos e acessíveis a toda a população beneficiarão estudantes, autores, professores e consumidores em geral.”

Guilherme Varella, advogado do Idec (Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor)

“Com esse importante passo, a Secretaria de Educação de uma das cidades mais ricas do País, onde milhões são gastos com educação e na compra de materiais educacionais, reconhece a importância dos recursos educacionais abertos para promoção de educação mais inclusiva e democrática. O uso de licenças do Creative Commons em materiais educacionais desenvolvidos ou pagos pela cidade de São Paulo irá  ‘tirar da sombra’ alunos e professores que necessitam acessar e utilizar materiais educacionais no seu dia a dia. Mas não é só isso. Essa adoção beneficia toda a sociedade que agora poderá também acessar e utilizar o material quando não tiver fins de lucro.  Esse passo também possibilitará a troca de experiências em relação ao uso de tais recursos.”

Carolina Rossini, Berkman Fellow, Advocate for OER in Brazil, and Peer2Peer University community member.

“Muito tem sido dito sobre a qualidade da educação e sobre a importância do acesso a materiais didáticos. A Secretaria Municipal de Educação de São Paulo vai além do discurso e investe, de fato, no compartilhamento da informação e do conhecimento, aumentando as oportunidades educativas de todas as pessoas, mesmo as que não estão matriculadas nas escolas. A escolha de um licença que permite o remix, convida à autoria todas as professoras e professores da rede, reconhecendo seu papel fundamental e ativo na educação. Que outros gestores  sigam este importante exemplo de otimização de recursos públicos, de valorização dos profissionais da educação, e de ampliação do acesso a materiais didáticos de qualidade.”

Bianca Santana, comunidade brasileira de recursos educacionais abertos, membro da Casa da Cultura Digital.

“Ao liberar os conteúdos didáticos como recursos abertos e licenciados em Creative Commons, a Secretaria Municipal de Educação demonstra que as redes digitais são aliadas da democratização e melhoria dos processos educacionais. As redes podem e devem ser utilizadas para ampliar nossa inteligência coletiva e incentivar um processo de compartilhamento e recriação permanente.”
Sergio Amadeu da Silveira, Centro de Engenharia, Modelagem e Ciências Sociais Aplicadas – CECS da Universidade Federal do ABC – UFABC

“A decisão da Secretaria Municipal de Educação de licenciar todo o conteúdo do seu site pela Creative Commons é histórica. Primeiro porque utiliza uma ferramenta contemporânea que tem impacto direto na economia do recurso público, permitindo compartilhamento de informações educacionais com outras cidades, sem custo. Do ponto de vista simbólico, a decisão também é importante: significa um suspiro de vanguarda em um mundo político contaminado pela caretice e medo do novo. Espero que essa decisão seja copiada, no melhor espírito creative commons, por todas as outras secretarias, e depois por todos os outros níveis de governo.”

Ale Youssef, Produtor cultural, sócio do Studio SP, fundador do site Overmundo e colunista de política da revista Trip

07/06/2011 at 12:39 1 comentário

Software livre em quadrinhos

Uma história em quadrinhos sobre software livre faz parte do livro Software livre para pequenas pessoas, do projeto Plantio Liberdade, que produz livros livres. O livro ainda não está pronto, mas é possível acessar uma prévia do material – e baixar a história em quadrinhos – no site do projeto. O conteúdo está licenciado em CC-BY e disponível em português, espanhol e inglês.

A iniciativa foi tomada pelo projeto argentino Gleducar, comunidade educativa livre, que é a responsável pela publicação.

12/05/2011 at 9:22 Deixe um comentário

MEC lança curso online sobre Linux para professores

O Ministério da Educação lançou um curso online para professores que trabalham com Linux. O conteúdo foi desenvolvido por conta da alta demanda, principalmente dos profissionais da rede pública, já que o governo usa o sistema e muitos deles ainda não estão familiarizados. O Linux Educacional está dividido em cinco módulos que compreendem desde uma introdução ao uso de computadores até a utilização de aplicativos livres e de ferramentas de autoria.

O material foi produzido pela extinta SEED (Secretaria de Educação a Distância) e coordenado pelo então Diretor de Produção de Conteúdos e Formação em Educação a Distância, Demerval Bruzzi. “A demanda surgiu de estados e municípios que compõem o ProInfo Integrado, programa no qual já temos mais de 450 mil professores formados. O material também pode servir de apoio às formações presenciais nas escolas públicas”, conta o ex-diretor. O cargo de Bruzzi também foi extinto e ainda não há informações sobre o que ocorrerá com os projetos encampados por essa diretoria.


28/04/2011 at 10:49 Deixe um comentário

Unicamp agora tem portal OCW

Está no ar, desde segunda-feira, dia 25 de abril, o portal OpenCourseWare Unicamp, com material educacional de 12 disciplinas disponíveis para utilização não apenas da comunidade acadêmica, mas de qualquer pessoa.

Por serem apenas conteúdos de disciplinas de cursos da graduação e não cursos completos online, não há emissão de certificados. E a licença, apesar de aberta, ainda é um pouco restritiva: CC BY-NC-SA (SA, ou “share alike”, significa que o usuário do material, caso faça alterações nele, deve utilizar a mesma licença). Mas trata-se de um padrão do próprio OCW, programa do MIT que  publica material educacional de seus cursos abertamente na internet há dez anos.

A iniciativa foi tomada em parceria com o Universia Brasil e tornou a Unicamp a primeira universidade pública do país a contar com o OCW.

27/04/2011 at 10:42 2 comentários

Artigos Mais Antigos


Folder

Categorias

Copie, remixe, melhore!

Atualizações do Twitter

Erro: Twitter não está a responder. Por favor espere alguns minutos e recarregue esta página.