Posts filed under ‘Educação’

Open Education Week 2012

Esforços para expandir o acesso à educação e ao conhecimento reunidos num evento global.

O OpenCourseWare Consortium anuncia a Primeira Semana Mundial da Educação Aberta, de 5 a 10 de março de 2012. A Semana Mundial da Educação Aberta (Open Education Week) é um evento anual e global que objetiva à conscientização no que diz respeito aos benefícios do compartilhamento livre e aberto na educação e, em particular, em relação aos Recursos Educacionais Abertos (REA). Recursos Educacionais Abertos são materiais educacionais de alta qualidade, distribuídos de forma aberta e livre de custos e que oferecem a pessoas de qualquer parte do mundo a oportunidade de compartilhá-los, utilizá-los, adaptá-los, traduzi-los e reutilizá-los.

“A visão do movimento da educação aberta é a de criar um mundo em que o desejo de aprender seja plenamente realizável através da oportunidade de assim o fazer, de modo que qualquer pessoa em qualquer lugar possa ter acesso a oportunidades adequadas sob o ponto de vista educacional, cultural e financeiro que lhes proporcionem obter os conhecimentos que desejem. O movimento engloba a produção, compartilhamento, utilização e modificação de conteúdos, bem como modelos educacionais inovadores”, disse Mary Lou Forward, Diretora Executiva do OpenCourseWare Consortium. “A Semana Mundial da Educação Aberta exibirá projetos, recursos, pessoas e ideias para que pessoas de todo o mundo possam ver a extensão de tudo o que já foi realizado até agora e participar das discussões acerca do futuro do movimento”.

A Semana Mundial da Educação Aberta está sendo coordenada pelo OpenCourseWare Consortium. O evento acontecerá online e em diferentes lugares do mundo, com oportunidades de participação em webinars, discussões e eventos ao vivo. Os projetos e eventos serão apresentados por instituições e organizações do mundo todo, tais como: University of Cape Town, University of Michigan, Universidad Politécnica de Madrid, University of Califórnia, Irvine, Delft University of Technology, Unisul, and Creative Commons.

O Projeto REA Brasil participará em dose dupla, com intervenções de Carolina Rossini e Débora Sebriam, nos dias 07 e 08/03.

(Clique para ampliar)

(Clique para ampliar)

Veja a programação completa aqui.

Fonte: OCW Consortium e tradução de Murilo Matos Mendonça que gentilmente traduziu o release e publicou na comunidade REA.

Anúncios

25/02/2012 at 14:36 4 comentários

Projeto GNU renova foco em software livre na educação

O Projeto GNU anunciou no final de janeiro o relançamento de sua campanha de voluntariado em todo o mundo centrada no esforço de levar software livre para instituições educacionais de todos os níveis. Veja seção de educação aqui.

A equipe recém-formada do projeto é liderada por Dora Scilipoti – ativista do software livre. Sob sua liderança, a equipe desenvolveu uma lista de metas específicas para orientar o seu trabalho:

  • Detectar os casos atuais de instituições educacionais em todo o mundo que estão usando com sucesso software livre.
  • Mostrar exemplos de como software livre está sendo utilizado por instituições de ensino para melhorar os processos de ensino e aprendizagem.
  • Publicar artigos sobre o uso do software livre por instituições educacionais.
  • Manter um diálogo com professores, alunos e administradores de instituições educacionais para ouvir as suas dificuldades e prestar apoio.
  • Manter contato com outros grupos ao redor do mundo comprometidos com a promoção do software livre na educação.

O Projeto GNU e sua organização de acolhimento, a Free Software Foundation (FSF), enfatizam que os princípios do software livre são pré-requisito para qualquer ambiente educacional que usa computadores:

“As instituições educacionais de todos os níveis devem usar e ensinar com software livre porque é o único software que lhes permite cumprir as suas missões essenciais: disseminar o conhecimento humano e preparar os alunos para ser bons membros de sua comunidade. O código fonte e os métodos de software livre fazem parte do conhecimento humano. O software livre é compatível com a educação, o software proprietário proíbe a educação.

No artigo The GNU Education Project, Dora Scilipoti acrescenta insights sobre a filosofia de organização do projeto, contribuições atuais, e os progressos até o momento. De sua motivação básica para estar envolvida, ela ressalta: “como defensora do software livre e  professora, sempre senti que o Projeto GNU precisva abordar o assunto com profundidade, pois é no campo da educação que os seus princípios éticos encontram o terreno mais fértil para alcançar o objetivo de construir uma sociedade melhor. “

Enquanto a equipe de educação já compilou uma coleção de materiais úteis, eles também estão procurando mais colaboradores voluntários. As pessoas que querem ajudar, ou que tenham informações sobre exemplos de uso de software livre nas escolas, devem entrar em contato no education@gnu.org.

A equipe de educação também tem trabalhado em estreita colaboração com a equipe do GNU tradução para que novos materiais estejam disponíveis em vários idiomas. As pessoas interessadas em ajudar com o componente de tradução do projeto podem obter informação aqui.

Fonte: Free Software Foundation

16/02/2012 at 10:57 Deixe um comentário

Open Educational Resources in Brazil: State-of-the-Art, Challenges and Prospects for Development and Innovation

O livro “Open Educational Resources in Brazil: State-of-the-Art, Challenges and Prospects for Development and Innovation” da pesquisadora brasileira Andreia Inamorato dos Santos, é a segunda publicação dentro da série de estudos de caso do Unesco Institute for Information Technologies in Education. O estudo contém uma visão geral do panorama educacional brasileiro, a política nacional de educação e as estratégias de utilização das TIC na educação.

A autora descreve alguns repositórios de conteúdo digital aberto, com a devida ênfase sobre a situação de direitos autorais e considera vários exemplos de projetos bem sucedidos de Recursos Educacionais Abertos internacionais que envolveu parceiros brasileiros.

Segundo Andreia, uma tradução para o português deverá sair nos próximos meses. Em relação a licença do livro, a autora esclareceu no grupo REA no Facebook e na lista REA:

“a UNESCO detém os direitos autorais. Eles admitem a controvérsia, principalmente porque essa é uma publicação sobre REA, mas a discussão para tornar as publicações da UNESCO abertas (com o uso de licenças apropriadas) é institucional e já está tramitando. Tudo precisa passar por várias fases administrativas antes da implementação, mas estão caminhando para isso. Em relação a essa publicação, a UNESCO pretende estudar a possibilidade de oferecer algum tipo de permissão para remix, mas isso não será algo imediato. Talvez um outro tipo de licença seja algo que possamos conseguir para a versão em português. De qualquer maneira, o livro está disponível gratuitamente e pode ser distribuído.”

O download está disponível aqui. Boa leitura!

09/01/2012 at 11:40 Deixe um comentário

Grande Prêmio Wikimedia Brasil: a qualidade contra o tempo

Foi durante a Wikimania 2011, evento que reúne centenas de voluntários dos projetos da Wikimedia Foundation, como a Wikipédia, num pequeno restaurante em Haifa, que surgiu a notícia. A maior fabricante de computadores populares do Brasil, o Grupo Positivo, está interessado em instalar uma versão da Wikipédia offline instalada em seus produtos. Todos nós da Wikimedia Brasil que estavam presentes se entusiasmaram, pois era sabida a importância deste fato para difusão da enciclopédia e de sua missão. Em outras palavras, isso significava versões da Wikipédia em aproximadamente 13% do mercado nacional de computadores pessoais e com maior representatividade nas camadas de menor renda.

Apesar da boa notícia, começou uma corrida contra o tempo. Era necessário preparar a versão offline da Wikipédia em português, com 5.000 mil artigos de boa qualidade, num prazo de tempo muito curto, março de 2012. O desafio era enorme e para superá-lo precisaríamos pisar fundo no acelerador.

A lista dos 5.000 artigos que deveriam compor a versão offline foi preparada em apenas três meses, com grande ajuda dos voluntários da Wikimedia Brasil, mas a qualidade ainda não era suficiente e seria preciso melhorá-los. Foi então que surgiu a ideia de um grande prêmio, como as grandes corridas automobilísticas. Sem carros e sem voltas, mas com artigos para serem melhorados e muitos prêmios para os “pilotos” que aceitarem esse desafio. Assim começou o “I GP Wikimedia Brasil“, onde cada artigo melhorado é uma volta completada.

A largada será dada em janeiro de 2012 e para participar é muito fácil. Basta se inscrever em uma das equipes existentes ou formar uma equipe nova. As inscrições vão até o dia 07 de janeiro de 2012 e no momento há 71 inscritos divididos em 22 equipes, porém a previsão é chegar aos 100 participantes. Afinal, esse é um Grande Prêmio onde todos ganham.

Os prêmios serão distribuídos conforme as equipes melhorarem a qualidade dos artigos que integram a lista. São botons, adesivos, cadernos e camisetas com a marca da Wikipédia, além de troféus e medalhadas nas páginas dos usuários participantes. As regras da premiação serão divulgadas logo após a formação das equipes, mas sabemos que o prêmio maior é a versão offline da Wikipédia em língua portuguesa!

Imagine um mundo onde cada ser humano compartilhará livremente a soma de todo o conhecimento. Imagine, agora, um Brasil onde milhares de pessoas – algumas sem acesso à Internet – compartilharão uma pequena soma deste conhecimento. É isso que vamos fazer. Integre uma equipe e também participe desse Grande Prêmio!

(Texto escrito colaborativamente pela comunidade Wikimedia Brasil)

Ver também

23/12/2011 at 23:21 Deixe um comentário

Portal Índio Educa – Festival da Cultura Digital

O que é ser índio no Brasil? Imagine essa história contada pelo povo indígena e usando todo o potencial da internet para compartilhar e construir a cultura colaborativamente?

Sebastian Gerlic, coordenador do projeto Índio Educa, esteve presente na Desconferência REA no Festival de Cultura Digital e compartilhou conosco este interessante projeto. “O Índio Educa tem o compromisso de levar a verdadeira história e cultura dos povos indígenas a todas as pessoas e através das mais variadas formas, especialmente via internet.”

Abaixo o depoimento de Sebastian Gerlic ao Blog REA.

Atualmente, o portal adota a licença BY-NC-ND, mas após a desconferência e o entendimento sobre o que é REA,  a possibilidade de oferecer uma licença mais flexível que permita obras derivadas está sendo discutida.

Veja todas as fotos da Desconferência REA no Festival de Cultura Digital.

13/12/2011 at 9:48 2 comentários

Coréia do Sul irá substituir livros didáticos impressos por digitais

Em setembro de 2011, a Coréia anunciou sua estratégia para a educação online.  O país pretende implementar o sistema digital em todas as escolas do país até 2015, visando modernizar o sistema educacional e facilitar o acesso.

A modernização do sistema educacional ocorrerá em 3 direções:

  • Adoção de livros didáticos digitais, conteúdo multimídia, aulas e avaliações online.
  • Formação de professores.
  • Construção um sistema de computação em nuvem entre todas as escolas, para facilitar o acesso a biblioteca de livros digitais de qualquer ponto.

Para promover o desenvolvimento e o uso de conteúdos digitais, as leis de direitos autorais serão revistas e um novo conteúdo nacional de educação e sistema de gestão de direitos autorais será construído. A cultura de “dar e compartilhar para professores e alunos” será criada por meio da adoção de licenças Creative Commons.

Saiba mais: FutureGov1 e FutureGov2

14/11/2011 at 1:46 Deixe um comentário

OpenClass: o AVA gratuito da Pearson

A Pearson anunciou há poucos dias o OpenClass, seu Ambiente Virtual de Aprendizagem gratuito, totalmente “livre” e “aberto” que tem como foco as universidades. Adrian Sannier, vice-presidente de produtos da Pearson, diz que o OpenClass pode ser usado sem custos de licenciamento, manutenção e hospedagem. “Uma oferta mais livre do que qualquer outra, incluindo o Moodle”. O AVA chega em parceria com a Google e os usuários podem acessar, por exemplo, o Gmail, agenda e o Google Docs à partir do AVA.

A iniciativa gera questionamentos em relação ao uso e produção de conteúdos. A Pearson não precisa vender o OpenClass, uma vez que, seu lucro está associado a venda de livros didáticos, tanto impressos como digitais, bem como outras ofertas curriculares e serviços de avaliação e testes padronizados. Em relação aos conteúdos, a Pearson afirma que a o ambiente não bloqueará materiais que não sejam de sua autoria.

Para saber mais: Hack Education e The Chronicle

31/10/2011 at 20:52 1 comentário

Artigos Mais Antigos


Folder

Categorias

Copie, remixe, melhore!

Atualizações do Twitter

Erro: Twitter não está a responder. Por favor espere alguns minutos e recarregue esta página.