Posts filed under ‘Atividades’

Oficina REA no Educaparty

Vídeos com a íntegra da oficina promovida pelo Instituto Educadigital (IED) no Educaparty 2012, com facilitação de Bianca Santana, Diretora de Educação do IED e Débora Sebriam, gestora de comunicação do Projeto REA-Brasil e também integrante da equipe do IED.

 

 

Anúncios

12/03/2012 at 20:06 1 comentário

Oficina REA no Educaparty

Por Carolina Rossini

Aconteceu no Educaparty, dia 09/02, a Oficina Recursos Educacionais Abertos: como usar, criar e compartilhar, promovida pelo Instituto Educadigital (IED), liderada por Bianca Santana – Diretora de Educação do IED e da Casa de Cultura Digital e por Débora Sebriam do IED e do Projeto REA-Brasil. A oficina começou com uma dinâmica e com uma rodada de apresentações dos participantes e constatou-se que a maioria dos estados brasileiros estavam ali representados. A oficina também contou com a presença de integrantes da comunidade REA-Brasil, como Carolina Rossini, Tel Amiel e Andreia Inamorato.

Na dinâmica inicial, Bianca Santana provocou os participantes a se posicionarem em uma linha de concordância ou discordância sobre a afirmativa: “autoria é sinônimo de propriedade”. A grande maioria dos presentes se posicionou contrário a afirmativa. Alguns se pronunciaram explicando que a Internet promove colaboração e que tais palavras não deveriam ser vistas como sinônimos. Já outros, afirmaram que o direito do autor deve ser reconhecido – com o que a todos concordaram. Um último participante trouxe conceitos, diferenciando propriedade de direito de autor, para este a propriedade vincula-se a bens materiais e não para bens imateriais.

Após a dinâmica inicial, o conceito REA da Unesco foi apresentado por Débora Sebriam e alguns dos presentes tomaram a palavra para ressaltar a necessidade de formatos abertos para a elaboração e compartilhamento de Recursos Educacionais Abertos.

As 6 licenças Creative Commons disponíveis e validadas juridicamente no Brasil foram apresentadas explicando-se o funcionamento de cada uma delas. Essa apresentação foi seguida pela discussão dos impactos de escolha de cada licença. No Commons do conhecimento o autor sempre existe, mas também se reconhece que muito do conhecimento produzido por aquele autor vem de uma construção sobre o conhecimento social.

Duas questões práticas foram colocadas ao grupo:

  • como escolher uma licença do Creative Commons
  • como utilizar ferramentas de busca avançadas, como a do Google, para encontrar materiais licenciados abertamente

Após a discussão inicial sobre o conceito e licenciamento aberto de materiais educativos, o grupo realizou um exercício prático no site do Creative Commons e decidiu-se licenciar um plano de aula hipotético. Após responder às duas perguntas básicas, a licença escolhida pelo grupo no exercício foi a CC-BY-NC-SA ( Atribuição – Uso não comercial – Compartilhamento pela mesma Licença) uma das licenças mais restritivas. Uma discussão foi iniciada sobre os impactos da licença, as dificuldades de interoperabilidade legal com outros projetos REA e a perda de oportunidade de ganhos indiretos com licencas como a CC-BY advindas do ganho de notoriedade, fato que resultou um repensar a licença, motivando as pessoas a escolherem licenças mais abertas.

O trabalho de Raffaela Traniello é um exemplo de criação REA. Rafaella é uma professora de ensino fundamental na Itália, que é um exemplo de professor autor. Ela estimula a criatividade, colaboração e o compartilhamento criando séries de animação com seus alunos sempre promovendo e fazendo uso de software livre e licenças Creative Commons.

Licenças e compartilhamento continuaram em pauta com uma reflexão sobre o conteúdo do Portal do Professor, Banco Internacional de Objetos Educacionais, Portal Domínio Público e Connexions.

Ao final, os participantes tiveram oportunidade de dar seu depoimento respondendo a pergunta: o que eu faço na minha prática cotidiano tem a ver com REA? Muitos educadores já compartilhavam suas obras criativas na web, entretanto muitos deles, não conheciam REA e as possibilidades de licenciamento abertos e saíram da oficina empolgados com a possibilidade de colher os frutos de publicar REA.

A oficina foi marcada pela participação constante dos presentes num debate aberto extremamente rico e foram presenteados com exemplares impressos do Caderno REA para professores e do folder REA.

A apresentação pode ser vista aqui.

15/02/2012 at 11:45 1 comentário

Grande Prêmio Wikimedia Brasil: a qualidade contra o tempo

Foi durante a Wikimania 2011, evento que reúne centenas de voluntários dos projetos da Wikimedia Foundation, como a Wikipédia, num pequeno restaurante em Haifa, que surgiu a notícia. A maior fabricante de computadores populares do Brasil, o Grupo Positivo, está interessado em instalar uma versão da Wikipédia offline instalada em seus produtos. Todos nós da Wikimedia Brasil que estavam presentes se entusiasmaram, pois era sabida a importância deste fato para difusão da enciclopédia e de sua missão. Em outras palavras, isso significava versões da Wikipédia em aproximadamente 13% do mercado nacional de computadores pessoais e com maior representatividade nas camadas de menor renda.

Apesar da boa notícia, começou uma corrida contra o tempo. Era necessário preparar a versão offline da Wikipédia em português, com 5.000 mil artigos de boa qualidade, num prazo de tempo muito curto, março de 2012. O desafio era enorme e para superá-lo precisaríamos pisar fundo no acelerador.

A lista dos 5.000 artigos que deveriam compor a versão offline foi preparada em apenas três meses, com grande ajuda dos voluntários da Wikimedia Brasil, mas a qualidade ainda não era suficiente e seria preciso melhorá-los. Foi então que surgiu a ideia de um grande prêmio, como as grandes corridas automobilísticas. Sem carros e sem voltas, mas com artigos para serem melhorados e muitos prêmios para os “pilotos” que aceitarem esse desafio. Assim começou o “I GP Wikimedia Brasil“, onde cada artigo melhorado é uma volta completada.

A largada será dada em janeiro de 2012 e para participar é muito fácil. Basta se inscrever em uma das equipes existentes ou formar uma equipe nova. As inscrições vão até o dia 07 de janeiro de 2012 e no momento há 71 inscritos divididos em 22 equipes, porém a previsão é chegar aos 100 participantes. Afinal, esse é um Grande Prêmio onde todos ganham.

Os prêmios serão distribuídos conforme as equipes melhorarem a qualidade dos artigos que integram a lista. São botons, adesivos, cadernos e camisetas com a marca da Wikipédia, além de troféus e medalhadas nas páginas dos usuários participantes. As regras da premiação serão divulgadas logo após a formação das equipes, mas sabemos que o prêmio maior é a versão offline da Wikipédia em língua portuguesa!

Imagine um mundo onde cada ser humano compartilhará livremente a soma de todo o conhecimento. Imagine, agora, um Brasil onde milhares de pessoas – algumas sem acesso à Internet – compartilharão uma pequena soma deste conhecimento. É isso que vamos fazer. Integre uma equipe e também participe desse Grande Prêmio!

(Texto escrito colaborativamente pela comunidade Wikimedia Brasil)

Ver também

23/12/2011 at 23:21 Deixe um comentário

OPAL convida organizações a participar de pesquisa de práticas REA

A OPAL (Open Educational Quality Initiative  – formada pelas instituições International Council for Open and Distance Education – ICDE, University Duisburg-EssenAalto UniversityThe Open University e Universitade Católica Portuguesa) fez um convite às organizações que trabalham com educação: que se juntem a ela nas iniciativas e que participem de pesquisa de práticas de REA.
As avaliações realizadas permitirão que as organizações participantes contem com a ajuda de experts internacionais, além de trocarem experiências e  serem incluídas no relatório de resultados da OPAL, a ser publicado em dezembro na conferência Online Educa Berlin.
Mais informações aqui ou com Molly Malone: m.malone@unesco.org.

 

30/09/2011 at 19:59 Deixe um comentário

Curso sobre educação aberta e REA incentiva o remix

O pesquisador Tel Amiel, do Núcleo de Informática Aplicada à Educação da Unicamp, coordenou um curso sobre educação aberta e recursos educacionais abertos incentivando o remix de recursos educacionais de acordo com a realidade dos alunos e professores, seus equipamentos e preferências. Foram dois conjuntos de seminários, realizados entre fevereiro e maio, maio e julho, respectivamente, envolvendo participantes de atuações variadas: professores da rede pública, gestores educacionais com interesse em REA, acadêmicos e alunos de áreas da pedagogia, computação e licenciaturas. Alguns deles vieram de instituições estadunidenses, já que os seminários foram feitos em cooperação com o programa de intercâmbio do CAPES-FIPSE, realizado entre Unicamp e Universidade Federal do Ceará no Brasil e as universidades da Geórgia e Estadual de Utah, nos EUA. Os participantes brasileiros, portanto, também estiveram – alguns ainda estão – nas universidades dos EUA.

A escolha pelo foco no remix e no reuso (apesar de também ter ocorrido produção de recursos), especialmente partindo da perspectiva dos professores do ensino básico público, deu-se por conta da importância dessa etapa para que o compartilhamento seja efetivo e garanta o uso do que já existe na internet – somente uma pequena parte do que está disponível é em português. “Muitas vezes, por causa não apenas de licenças, mas também de sistemas, diferenças nos contextos no processo de ensino-aprendizagem, de idiomas, o professor acaba optando por criar seu recurso do zero. Torna-se a opção mais fácil”, afirma Tel Amiel. A ideia central dos seminários foi ajudar a problematizar a transformação de recursos já existentes, pensando em questões culturais, recursos físicos e condições de trabalho de professores e alunos. Como base, foram feitas leituras específicas, discussões e tarefas durante os encontros semanais de duas horas de duração.

Já estão no ar as ementas de dez artigos, além de reflexões dos alunos sobre REA. Até o final do ano, uma biblioteca digital conterá todos os resumos críticos (em português) dos artigos em inglês utilizados nos seminários. Uma lista de repositórios focados em recursos abertos estará disponível até o final de outuro. Paralelamente, alunos participantes do seminário criaram, por meio do remix, um Caderno de orientação sobre REA para professores do ensino básico que será publicado também em outubro e servirá de base para oficinas a serem realizadas com o corpo docente de escolas públicas.  Tudo em CC-BY.

O projeto de intercâmbio de alunos termina em 2012, quando acaba o financiamento do CAPES. Mas as atividades continuam, com novos seminários, e existe a intenção de que um curso aberto seja ofertado na Unicamp.

Para conhecer parte do programa de discussões e leituras, acesse http://educacaoaberta.org/rea/.

Para saber mais sobre um simpósio internacional sobre remix e cultura promovido na universidade de Utah como parte do programa, acesse http://educacaoaberta.org/rea/eventos/symposium. Os anais também serão publicados em outubro.

06/09/2011 at 9:11 Deixe um comentário

Creative Commons e Association of Educational Publishers lançam projeto para organizar REA

Um projeto que beneficia a troca e a busca dos REA foi lançado no primeiro semestre deste ano, em uma parceria entre Creative Commons e Association of Educational Publishers (AEP). O Learning Resource Metadata Initiative (LMRI) pretende, por meio da definição de um vocabulário comum criado para o gerenciamento dos recursos educacionais abertos disponíveis na web, facilitar o acesso, a descoberta e a troca de materiais, tanto para quem produz, quanto para quem utiliza.

A ideia é permitir a identificação desses recursos por meio de tags no schema.org, ferramenta lançada pelo Google, Yahoo e Bing também no primeiro semestre, que organiza conteúdo.

Mais informações aqui.

30/08/2011 at 15:04 Deixe um comentário

Webinars do OCW Consortium sobre plataformas

O OCW Consortium promoveu, no mês de agosto, webinars sobre plataformas de publicação de conteúdo. A OERbit e a eduCommons foram temas das seções dos dias 19 e 24, respectivamente, e a NIXTY será apresentada e discutida no dia 30, por Glendon Moriarty.  A ideia é tornar mais fácil a escolha da plataforma a ser utilizada, de acordo com as necessidades e afinidades de cada usuário.

Mais informações aqui.

Para participar, acesse: http://breezemeeting.asu.edu/ocwc

 

 

26/08/2011 at 11:21 Deixe um comentário

Artigos Mais Antigos


Folder

Categorias

Copie, remixe, melhore!

Atualizações do Twitter

Erro: Twitter não está a responder. Por favor espere alguns minutos e recarregue esta página.